Drk-Drsya-Vivekam

Introdução

 

Palani Swami, de Kerala, era um sadhaka e serviu a Bhagavan Sri Ramana Maharshi por cerca de 20 anos, desde a chegada de Bhagavan a Tiruvannamalai. Para ajudar Palani Swami em seu sadhana, Bhagavan costumava copiar vários textos sagrados espirituais em seus cadernos. (Referências a isso podem ser encontradas no livro Letters from Sri Ramanasramam, de Suri Nagamma, e esses cadernos estão guardados nos Arquivos do Ashram). Bhagavan os escreveu originalmente a lápis, e depois por cima com caneta, com uma caligrafia esmerada.

 

Em um dos cadernos, encontramos os seguintes textos com a letra de Bhagavan no alfabeto malaiala:

 

1. Skandopanishad, 2. Amruta-bindopanishad, 3. Kaival-yopanishad, 4. Brahma-vidya Panchakam, 5. Municharya Panchakam, 6. Nirvrutti Panchakam, 7. Ramanashtakam.
 

Os seguintes textos estão no alfabeto tâmil:


1. Dakshinamurti Astakam, de Sri Nithyananda Swami
2. Sri Dakshinamurti Astakam
3. Rascunhos da tradução para o tâmil que Bhagavan fez do Sri Dakshinamurti Astakam
4. Drk-Drsya-Vivekam – Versos em tâmil de Sivananda Murti
5. Sukashtakam
6. Moksha Sadana Panchakam
7. Sobana Panchakam
8. Manisha Panchakam

 

Além de copiar os versos em tâmil de Drik Drisya Viveka, Bhagavan também os traduziu para o tâmil no formato de prosa e isso faz parte atualmente do livro The Collected Works of Ramana Maharshi.

 

Durante sua permanência na Caverna Virupaksha (1900-1916), atendendo aos pedidos constantes de Gambhiram Seshayya e seu irmão Krishnayya, Bhagavan traduziu o Vivekachudamani para o tâmil em formato de prosa. Além disso, Ele traduziu o Drk-Drsya-Vivekam. Na Introdução do Drk-Drsya-Vivekam, Bhagavan menciona dois pontos importantes:

 

1. No verso de invocação e na prosa, Bhagavan menciona que o Drik Drisya Viveka é uma obra de Adi Shankaracharya, embora ele tenha copiado os versos de Sivananda Murti, no qual o trabalho original é atribuído a Vidyaranya Swami.

 

2. Bhagavan afirma que essa pequena obra do Acharya (Preceptor), que explica o segredo do Advaita Siddhanta, é suficiente para os mumukshus (buscadores da Libertação) que estão aptos para receber o uttama adhikari (experiência espiritual).

 

A tradução de Bhagavan dessas duas obras de Acharya Shankara – Vivekachudamani e Drik Drisya Viveka – foi publicada pela primeira vez em 1908, e reimpressa em 1916 e 1921, elas fazem parte do livro The Collected Works of Ramana Maharshi. Essas duas traduções de Bhagavan foram publicadas muito antes do livro Quem sou eu?.

 

Uma vez, o líder da Kovilur Vedanta Mutt, Veera Subbaiah Swami, e seus discípulos foram visitar Bhagavan na Caverna Virupaksha e pediram a ele que explicasse as práticas para a realização do estado de sahaja nirvikalpa samadhi, em que o jovem Sábio se encontrava constantemente. Bhagavan mostrou-lhes Sua tradução do Drik Drisya Viveka, em que são explicados os seis tipos de samadhi que levam ao sahaja samadhi.