Ondas de Bem-Aventurança de Shiva

Om Namo Bhagavate Sri Ramanaya

Sivananda Lahari - (Ondas de Bem-Aventurança de Shiva)

 

Sri Ramana Maharshi selecionou dez versos do Sivananda Lahari – a famosa composição de Adi Sankaracharya em sânscrito, contendo cem versos em louvor ao Senhor Shiva – e os organizou em uma ordem específica.

 

Esses versos são muito poderosos para invocar a Graça do Senhor Shiva. Eles também contêm ideias espirituais reveladoras, inspiradoras e perspicazes. Um dos versos questiona “Kim Durlabham?”, ou seja, o que é impossível para aquele que louva ao Senhor Shiva? Os versos também alertam os leitores a respeito da adoração inútil a deuses superficiais.

 

Como está chegando o auspicioso Maha Shivaratri, apresentamos abaixo cada verso selecionado por Sri Ramana Maharshi, seu significado conciso (retirado de Conversas com Sri Ramana Maharshi, 15 de dezembro de 1937 – Conversa 428):

Sri Bhagavan selecionou dez estrofes da famosa obra de Sri Sankara – Sivananda Lahari – descrevendo a devoção (bhakti):

 

(1) O que é bhakti?
Assim como o fruto da 
ankola¹ ao cair da árvore se reúne a ela ou um pedaço de ferro é atraído por um ímã, assim também os pensamentos, depois de surgirem, se perdem em sua fonte original. Isso é bhakti. A fonte original dos pensamentos são os pés do Senhor, Isvara. Amor aos Seus pés constitui bhakti. (61)


(2) Fruto de bhakti:

A nuvem densa de bhakti, formada no céu transcendental dos Pés do Senhor, derrama uma chuva de Bem-aventurança (ananda) e enche o lago da mente até transbordar. Só então o jiva, sempre transmigrando sem resultado útil, tem o seu propósito real cumprido. (76)


(3) Onde colocar o bhakti?
A devoção por deuses, que têm eles próprios sua origem e fim, pode resultar em frutos igualmente com origem e fim. Para ficarmos em Bem-Aventurança Eterna, a nossa devoção deve ser dirigida para a sua fonte, ou seja, os Pés do Senhor sempre bem-aventurado. (83)


(4) Bhakti é uma questão apenas de experiência e não de palavras:
Como a lógica ou outras polêmicas podem ter utilidade real? Os 
ghatapatas (exemplos favoritos dos lógicos, ou seja, o pote e o tecido²) podem salvar você em uma crise? Por que então se desgastar pensando neles e em discussão? Pare de exercitar os órgãos vocais e causar-lhes dor. Pense nos Pés do Senhor e beba o néctar! (6)


(5) A imortalidade é fruto da Devoção:
Ao ver aquele que em seu coração fixou os Pés do Senhor, a Morte se lembra do seu desastroso encontro com Markandeya³ e foge.

Todos os outros deuses adoram apenas Shiva, colocando suas cabeças coroadas aos Pés d'Ele. Essa adoração involuntária é natural para Shiva. A Deusa Libertação, Sua consorte, sempre permanece parte d’Ele. (65)


(6) Se apenas a Devoção estiver presente — as condições do jiva não poderão afetá-lo.

Por mais que os corpos sejam diferentes, só a mente se perde aos Pés do Senhor. A Bem-aventurança transborda! (10)


(7) A Devoção sempre intacta:

Onde ou como quer que seja, apenas deixe a mente se perder no Supremo. Isso é Yoga! Isso é Bem-aventurança! Ou o Yogue ou a Bem-aventurança encarnada! (12)


(8) Karma Yoga também é Bhakti:
Adorar a Deus com flores e outros objetos externos é incômodo. Apenas coloque a única flor, o coração, aos pés de Shiva e permaneça em Paz. Não saber essa coisa simples e vaguear por toda parte! Quão tolo! Que miséria! (9)


(9) Esse Karma Yoga põe fim ao seu samsara:
Seja qual for a ordem da vida
(asrama) do devoto, apenas uma vez pensado, Shiva alivia o devoto da sua carga de samsara e a pega para Si mesmo. (11)


(10) Devoção é Jnana:
A mente se perder aos Pés de Shiva é Devoção. Ignorância perdida! Conhecimento! Libertação! (91)

- A árvore ankola é famosa por atrair as sementes que caem dos frutos da própria árvore como um ímã. (N.E.)

2Ghatapatas: "ghata": pote; "pata": tecido. Pote e tecido têm nomes e formas. Você pode encher o pote
com água e vestir o tecido. Ambos são visíveis, mas, quando destruídos, eles não existem mais. Nós
vemos o pote e nos esquecemos de que é feito de barro, vemos o tecido e nos esquecemos do fio. (N.E.)

3 -  A história conta como Yama (deus da morte) queria alcançar Markandeya, que era um grande devoto de Shiva. Yama tentou capturar Markandeya com um laço em seu pescoço. Acidentalmente, o laço foi enrolado em torno do Shiva-lingam que Markandeya estava adorando. Do lingam, Shiva apareceu e derrotou Yama. (N.E.)