Akshara Mana Malai – 100 anos

Om Namo Bhagavate Sri Ramanaya

Akshara Mana Malai – 100 anos

 

Sri Ramana Maharshi ensina em sua obra fundamental – Quem sou eu? – que “a ausência de desejos é sabedoria”. Os seguidores de Ramana Maharshi se esforçam para alcançar a ausência de desejos como um objetivo espiritual.

 

Até mesmo os aspirantes espirituais comprometidos com a “ausência de desejos” precisam realizar ações para a manutenção da vida, como encontrar alimentos e água. Os renunciantes do hinduísmo podem viver de esmolas como uma maneira de cultivar a ausência de desejos e a humildade.

 

Alguns renunciantes que se associaram a Ramana Maharshi viviam de esmolas. Eles iam até a cidade em grupo e cantavam em louvor ao Senhor.

 

Antes de descerem a Montanha para pedir esmolas, os sadhus sopravam uma concha, dando um aviso inicial aos residentes piedosos da cidade que lhes davam comida. Quando chegavam no sopé da Montanha, eles sopravam a concha novamente, anunciando a chegada deles na cidade para receber esmolas. Graciosamente, os habitantes da cidade lhes davam bastante comida devido a associação deles a Ramana Maharshi, que vivia na Montanha.

 

Isso funcionou bem até que homens que não eram seguidores de Ramana Maharshi descobriram a generosidade especial dos habitantes em relação aos devotos de Maharshi. Eles também formaram um grupo e passaram a soprar uma concha e caminhar pelas ruas cantando músicas tradicionais em louvor ao Senhor. Propositadamente, eles começaram a percorrer a cidade para receber comida um pouco mais cedo do que os devotos de Maharshi. Os habitantes generosos não conseguiam distinguir os verdadeiros devotos de Bhagavan dos impostores, que vestiam roupas parecidas e cantavam músicas semelhantes em louvor ao Senhor. Os devotos de Maharshi precisavam voltar com poucos alimentos e aceitar a fome.

 

Os devotos, vitimados pelo roubo de identidade, buscaram seu Salvador, Ramana Maharshi, que era a personificação da compaixão infinita de Arunachala, com um poder incomparável de transformar o infortúnio em boa sorte. Perumal Swamy, discípulo de Maharshi, pediu que Ele compusesse uma prece exclusiva que garantisse para eles a Presença de Ramana Maharshi e revelasse ao mundo o verdadeiro status de Seus seguidores genuínos.

 

Geralmente, aqueles que saíam para pedir comida cantavam uma música com o refrão “Samba SadaSiva, Samba SadaSiva, Samba SadaSiva, Hara Hara”. De início, Maharshi compôs alguns versos similares com o refrão “Arunachala” e parou. Perumal estava aguardando os próximos versos e ficou decepcionado. Um dia, Maharshi fez o giri pradakshina (circumambulação da Montanha) sozinho. Naquele dia, os cento e oito versos que invocam a Graça do Senhor Arunachala jorraram dele como uma fonte perene, vindo das profundezas do Coração de Maharshi.

 

O próprio nome da música revela seu conteúdo (bhava); a noiva era o jiva (o próprio Maharshi), o noivo era o Senhor Arunachala. Maharshi criou situações em que a noiva ansiava pelo noivo, e assim compôs a música.

 

Normalmente, uma amante ansiosa inspiraria pena, mas quando a situação é acompanhada pela devoção, o resultado é perfeito. A noiva demonstra vários sentimentos como autocomiseração, timidez, maturidade e mágoa por ter sido rejeitada; tudo isso torna o poema esplêndido, com uma mistura magnífica de bhakti (devoção) e sringara (amor romântico). Assim como o açúcar no leite, a sabedoria do upadesa (instrução espiritual) também é abundante no poema. No original em tâmil, as palavras usadas têm mais de um significado, assim é impossível traduzi-lo perfeitamente. Aqueles que cantam e escutam a música no Ashram são tomados pela alegria. Quando a bhava (atitude) é doce e as palavras são equilibradas com delicadeza, isso é de se esperar. A música tem um efeito tranquilizador nos corações dos devotos.

 

O primeiro efeito da música sagrada foi solucionar o problema da falta de comida. Em Dia a Dia com Bhagavan, menciona-se que Bhagavan diz que o Akshara Mana Malai alimentou os devotos por muitos anos. O poder da música é muito maior do que uma mera garantia do alimento diário pela Graça de Arunachala. Ela nos assegura de que Arunachala e Sri Ramana estão presentes, onde quer que nós estivermos.

 

Sri Ramana Maharshi abriu Seu coração e transmitiu seu poder espiritual para o Akshara Mana Malai como um presente para Seus devotos, para que eles pudessem invocar facilmente Sua presença graciosa onde quer que quisessem. O poema sagrado, se cantado regularmente, confere a proteção de Arunachala (Maha Guru Sri Ramana Maharshi). Ele tem o poder de remover os obstáculos que o devoto enfrenta e de guiá-lo no dia a dia.

 

Cem anos se passaram desde que o Akshara Mana Malai foi criado. O evento do centenário terá cantos diários do Akshara Mana Malai no Ashram e em todos os Centros dedicados a Ramana Maharshi. Que todos os devotos aprendam e cantem o Akshara Mana Malai com fervor! Que todos eles sejam vitoriosos em seu empenho de adquirir o Autoconhecimento, do qual Arunachala e Ramana Maharshi são símbolos supremos! Que todos se beneficiem do poder da presença de Ramana Maharshi, revelado pela sua composição imortal “Akshara Mana Malai”.

Aprenda a Cantar o Aksharamanamalai